A Direcção da Sociedade Portuguesa de Cardiologia do Biénio 2015-2017
 
 
Órgãos Sociais
  
Presidente: Miguel Mendes

Presidente-eleito: João Morais

Vice-Presidentes: Nuno Bettencourt de Sousa, Maria João Vidigal Ferreira, Mário Martins Oliveira

Secretária-Geral: Regina Ribeiras

Tesoureiro: Manuel de Sousa Almeida

Secretários-Adjuntos: Pedro Azevedo, Maria Cristina Gamboa, Pedro Pinto Cardoso

Assembleia Geral
Presidente: Luís Manuel de Areia Loureiro Basto
1ª Secretária: Ana Maria Barreto Mendonça Romão de Brito Camacho
2ª Secretária: Maria Manuela Lopes Vieira
Suplentes: Filomena da Assunção Gomes de Oliveira, Domingos Francisco Ramos

Conselho Fiscal
Presidente: João Luis Leitão Loureiro Pipa
Vogais: Maria Madalena Andrade Esteves, Paula Cristina Bessa de Freitas Pinto

Delegado na Madeira: Décio Pereira
Delegado nos Açores: Dinis Martins

 
 

 
Linhas mestras de actuação da Direcção da SPC do biénio 2015-2017
Lisboa, Maio de 2015

Consolidar e Projectar!

  • Consolidar o legado histórico dos 65 anos da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, em particular as iniciativas mais relevantes da direcção do biénio 2013 – 2015:
     
    • O Departamento de Investigação
       
    • A Escola de Formação Pós-Graduada em Medicina Cardiovascular
       
    • O Conselho das Sociedades Científicas Médicas Portuguesas
       
    • A acreditação e o benchmarking
       

     
  • Projectar a Sociedade Portuguesa de Cardiologia junto dos órgãos do poder, de outras sociedades científicas nacionais e internacionais, associações profissionais e da sociedade civil.
     
    • Conquistar o reconhecimento do estatuto natural da SPC de liderança na promoção da Saúde cardiovascular no país, realizando periodicamente tomadas de posição públicas, nomeadamente por ocasião do Mês do Coração e do Dia Mundial do Coração.
       
    • Aumentar a intervenção social, passando o foco da SPC do "estudo" para a "acção/trabalho", confrontando a tutela e a Ordem dos Médicos/Colégio de Especialidade com propostas estratégicas para melhorar a prestação de cuidados de Saúde Cardiovascular e para dignificar o exercício da Cardiologia e das suas sub-especialidades.
       
    • Pensar a rede de cuidados em Saúde Cardiovascular disponibilizados à população, em termos de eficácia, custos e distribuição geográfica.
       
    • Dinamizar todos os corpos sociais da SPC, nomeadamente o Conselho Português para a Pratica da Cardiologia e o Conselho dos Jovens Cardiologistas.
       
    • Garantir aos seus sócios uma formação cardiológica de qualidade e acreditada, no curriculum fundamental e nas sub-especialidades.
       
    • Modernizar a SPC, efectuando uma revisão estatutária inspirada no modelo da Sociedade Europeia de Cardiologia, que permita adaptar a nossa estrutura e funcionamento às exigências dos tempos actuais, tornando-nos mais abertos, participativos e democráticos.
       
    • Aprofundar as relações com as Sociedades Europeia, Espanhola e Brasileira de Cardiologia.
       
    • Reforçar a colaboração com as sociedades científicas e órgãos profissionais dos países de língua oficial portuguesa, amplificando a dinâmica criada pelo recente lançamento da Federação das Sociedades de Cardiologia dos Países de Língua Portuguesa.